Blog

Dietas da moda: elas valem a pena?

O que é dieta pra você? Uma pergunta que pode render mil respostas. Mas tem algumas, posso garantir, que sempre aparecem: restrição, privação, difícil, sem gosto, sem graça, dá raiva.

Diante disso, continuo meu questionamento com a seguinte pergunta: se as dietas funcionassem, estaríamos vivendo em um mundo em que as pessoas estão constantemente insatisfeitas com os seus corpos e/ou precisam cuidar da saúde porque estão com níveis elevados de açúcar no sangue, colesterol, triglicérides, entre outros?

O fato de, ao longo dos anos, inúmeras dietas desaparecerem ou brotarem (ou ainda, mudarem apenas de nome mas permanecerem praticamente as mesmas), já nos diz alguma coisa. Bem, elas não funcionam, caso contrário, seriam permanentes.

Mas, afinal, por que as dietas não funcionam?

Todas as dietas da moda funcionam de uma maneira basicamente igual, resultando em um ciclo:


Adaptado do livro Nutrição Comportamental (2015)

Esse ciclo envolve várias etapas e cada uma tem sua particularidade. Para começar, todas as dietas "funcionam" com algum tipo de restrição ou privação de algum alimento ou nutriente: carboidratos, glúten, leite, gorduras, açúcares e por aí vai.

Esse estado de restrição ou privação gera inúmeras consequências físicas e psicológicas, entre elas alteração no metabolismo, na produção de hormônios, falha no reconhecimento da sensação de fome e saciedade, e sentimentos ruins como raiva e ódio.

A perda de peso geralmente acontece pois a pessoa que se submete a diminuir ou excluir algum alimento e/ou nutriente pode acabar diminuindo drasticamente a ingestão de calorias de uma maneira geral, favorecendo a diminuição do peso, porém não o emagrecimento saudável, uma vez que a maior parte do peso perdido dessa forma é composto por água e músculo.

Viver na restrição e na privação é muito difícil e pode até gerar outras consequências como isolamento social e depressão. Concluindo, não é sustentável, de uma maneira geral.

Por não ser sustentável, é muito provável que, em algum momento (pode ser em 1 mês, 6 meses, 1 ano...), o seu corpo tenha a sensação de que você tem que comer muito mais do que está comendo no momento. E aí que surgem os episódios de perda de controle e compulsão, que é quando você come um volume muito grande de alimento em um curto período de tempo.

Saindo da restrição e da privação, é possível que seu corpo aumente o peso novamente, até como um mecanismo de defesa, do tipo: não sei quando verei comida novamente, então vou estocar tudo na forma de gordura, que é o meu tecido seguro.

Nesse momento, as consequências metabólicas, hormonais e psicológicas já existem e tudo piora com o aumento do peso. Baixa auto estima e falta de confiança podem fazer com que a única solução visível seja entrar na restrição ou provação novamente. E assim o ciclo se fecha e começa de novo.

Diante de tudo isso, eu te afirmo: não precisa ser assim. A solução mais rápida e prática não necessariamente é a mais eficaz e duradoura. A mudança de comportamento, o conhecimento e o autoconhecimento parecem ser o caminho mais difícil, e de fato não são fáceis, mas são essenciais nessa jornada e no final você vai ver como valem a pena. É possível ter prazer na alimentação de uma forma que você se sinta empoderado para escolher exatamente o que quer e o que não quer comer, de uma forma consciente e tranquila.

Essa foi uma maneira bem breve e resumida que eu encontrei para introduzir esse assunto. Espero que tenham gostado!

Quem tiver dúvidas ou quiser conversar mais comigo sobre isso, pode me escrever: raquel@wellmove.com.br

Beijos com carinho da nutri, Raquel

Posts em destaque
Arquivo
Redes sociais
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • Twitter Social Icon